Uma leitura política do filme “O Salão de Jimmy”

Escrito por Daia Borges

O filme “O Salão de Jimmy” foi dirigido por Ken Loach, o renomado diretor inglês conhecido pelos incontáveis filmes produzidos a partir de um posicionamento político marxista, boa parte, centrada nas condições de vida da classe trabalhadora da Grã-Bretanha. O filme é baseado em fatos reais que foram narrados na peça “Jimmy Gralton’s Dancehall”, de Donald O’Kelly.

A história se passa em 1932, na cidade de Leitrim, em um contexto de pós-guerra civil da Irlanda (República da Irlanda) travada entre nacionalistas irlandeses – as forças do novo governo do Estado Livre, apoiadores do Tratado anglo-irlandês – e os republicanos – para quem o Tratado representava uma traição da República da Irlanda –, entre 28 de junho de 1922 e 24 de maio de 1923. Nesse contexto, o filme narra à incrível trajetória do carismático personagem James Gralton (Barry Ward), apelidado de Jimmy, um líder comunitário de filiação comunista, que durante o período da grande depressão norte-americana retorna a Leitrim, sua terra natal, após 10 anos de exílio em Nova York, em virtude de conflitos com latifundiários locais por defender a liberdade de expressão e educação cultural. O personagem é recebido por amigos, familiares e camaradas que comemoram a recém chegada.

Inicialmente, Jimmy pretende levar uma vida tranquila, cuidando da mãe viúva e da terra da família, mas jovens da cidade e amigos, cansados de ter suas vidas controladas por um governo reacionário e uma Igreja Católica ultra-conservadora, insistem na reabertura do “Salão”. Com a reabertura, as pessoas passam a se encontrar, e, sobretudo os jovens que eram proibidos de dançar, passam a frequentar esse centro cultural popular para estudar artes, desenho, literatura, recitar poesias, dançar, aprender artesanato e discutir idéias políticas libertárias. Eram também discutidos salários mais justos e organizadas lutas para proteger famílias arrendatárias despejadas das terras que ocupavam por retaliação da Igreja Católica somada à ganância da aristocracia e da burguesia latifundiária.

O filme de Ken Loach retrata a luta de classes em sua forma dura, com despejos, perseguições, violência policial, agressões verbais, boicotes aos trabalhadores associados aos ideais socialistas e contrários às ideias conservadoras, reacionárias e fascistas dominantes naquele contexto. O filme também expressa a idéia de que a integração entre diversão e política e educação e cultura, quando desenvolvidas nas periferias, favelas ou comunidades rurais, é intolerável para as classes dominantes e o seu Estado, normalmente associados a igrejas repressivas, posto que procuram impor uma sociedade fundamentada em patrões e trabalhadores, em “pastores” e “ovelhas”. Essa realidade foi demonstrada na posição assumida pela Igreja Católica quando impõe a Jimmy, como condição para admitir a existência do Salão e terminar as perseguições, que o mesmo fosse entregue à Igreja, isto é, encerramento das perseguições ocorreria mediante o sacrifício do espaço como impulsionador de liberdade, conhecimento, cultura e saberes profissionais. Enfim, o filme evidencia que para as forças e instituições sociais conservadoras, reacionárias e fascistas é inadmissível uma sociabilidade que não esteja fundada na desigualdade, no imperativo da ordem social burguesa, na repressão e na autoridade religiosa.

O filme também se constitui em referência para forças políticas e militantes que desejam desenvolver trabalho de base em comunidades urbanas e rurais. Para além de aspectos políticos, educacionais, culturais e de diversão, emergem planejamento, formas organizativas e autosustentação material do “Salão”.

Historicamente, a trajetória e luta de James Gralton e sua influência positiva no Condado de Leitrim à época foi uma referência importante da luta de resistência contra as forças conservadoras, reacionárias e fascistas – aristocratas e burgueses latifundiários, políticos de extrema direita, religiosos ultra-conservadores e oficiais de polícia. Foi preso em 09 de fevereiro de 1933, sendo deportado logo em seguida de sua terra natal, voltando a residir em Nova York. Seus camaradas de Leitrim e outros grupos de trabalhadores revolucionários viriam a formar o Partido Comunista da Irlanda em 1933.

James Gralton morre em Nova York, em dezembro de 1945, sem nunca ter podido retornado ao seu país.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s