CONSTRUIR O 1º DE MAIO 2021, CLASSISTA E UNIFICADO, EM GOIÁS!

Em Goiás, o PCB e seus coletivos tem se empenhado na construção do 1º de Maio classista e unificado, como parte da agenda de luta e mobilização em defesa dos direitos e liberdades democráticas, com a compreensão de que essa data deve ser celebrada enquanto materialidade da unidade do campo popular. Portanto, sem a participação de partidos e políticos burgueses!

A comemoração do 1º de Maio – que tem como referência basilar os protestos que trabalhadoras e trabalhadores de Chicago (EUA) realizaram 1886 – foi criada em lembrança e homenagem às lutas que a classe desenvolveu historicamente contra a exploração econômica, a dominação política e a opressão ideológica que o capital realiza contra ela. É uma data voltada para o resgate das lutas históricas da classe trabalhadora, bem como das/os suas/seus lutadoras/es históricas/os.

Para nós comunistas, o 1º de Maio é também uma data de reafirmação da necessidade de assegurar a independência e autonomia da classe trabalhadora frente à classe dominante, de defender o internacionalismo proletário e de reafirmar o socialismo como objetivo estratégico. Como parte da classe trabalhadora, empenhamos para que trabalhadoras e trabalhadores elaborem pautas de lutas voltadas para garantir e ampliar direitos, aprofundar a organização coletiva e sedimentar uma consciência de classe emancipatória, mas sempre como parte da construção de uma contra-hegemonia que tem o horizonte estratégico acima indicado.

O 1º de Maio de 2021 será mundialmente marcado pelo acirramento da crise sistêmica do capitalismo e da tragédia humanitária acarretada pela Covid-19. Milhões estão jogados nas ruas como desempregados, desalentados e indigentes. Aqueles que encontram trabalho vêem o poder de compra dos seus salários corroído pela inflação. A pandemia, por sua vez, ceifou mais de 3 milhões de vidas em termos mundiais e alcança a casa de 400 mil mortes no Brasil.

A sociedade brasileira foi colocada no epicentro mundial da queda dos níveis de vida e da pandemia. O Governo Bolsonaro-Mourão-Guedes foi capaz de colocar mais da metade da classe trabalhadora no desemprego, subemprego e indigência por meio de ajuste fiscal ultraneoliberal, desmonte das políticas públicas e corte de gastos sociais. Por meio do negacionismo frente à pandemia, da sabotagem ao distanciamento social, de divulgação de medicações e tratamentos falsos e de protelação na compra de vacinas, gerou uma antipolítica sanitária genocida.

O 1º de Maio de 2021 tem que reafirmar a luta pelo impeachment do Governo Bolsonaro-Mourão-Guedes e contra a sua política econômica e social genocida. Também tem que ser espaço para reafirmar a defesa do auxílio emergencial de, no mínimo, R$ 600,00, vacina para todas/os pelo SUS e a quebra de patentes de vacinas e medicações voltadas para o tratamento dos enfermos.

Esse 1º de Maio também tem que denunciar a conspiração autoritário-fascista, conduzida às claras! Mas também deve ser um espaço, de debate franco e transparente, de contraposição às políticas de conciliação de classes e de perspectiva de reedição de partido de extração popular como operador político da hegemonia burguesa! Realidade do nosso passado recente, co-determinante da derrota política que a classe trabalhadora sofreu nos últimos 5 anos, que abriu portas para o ataque à representação política e direitos dos trabalhadores e o avanço das falanges autoritário-fascistas sobre a sociedade civil e o Estado. Realidade que, inclusive, faz-se presente na comemoração nacional do 1º de Maio de 2021, quando centrais do campo popular trazem para essa comemoração, partidos e políticos burgueses que se empenharam na implementação do Golpe de Estado de 2016 e na aprovação das contrarreformas subseqüentes, e que compõem a base de sustentação do Governo Bolsonaro-Mourão-Guedes e suas políticas.

Próximos de comemorar nosso centenário de luta e resistência, o PCB e seus coletivos reafirmam que o atual contexto está marcado por uma crise socioeconômica estrutural de longa duração, uma destruição ambiental que está a liquidar ecossistemas e uma crise sanitária sem paralelo desde a Era Moderna. Para fazer frente a essa realidade, o PCB e seus coletivos estarão engajados, como parte da classe trabalhadora, no desenvolvimento do trabalho de base nos locais de trabalho, estudo e moradia, na realização de um encontro nacional de reorganização na classe trabalhadora (ENCLAT), na construção de um movimento de frente ampla das forças do campo popular e na edificação de um programa mínimo classista, popular e antiimperialista capaz de apontar um sentido estratégico para a classe!

Vacinação para todas/os! Por direitos sociais e trabalhistas! Em defesa das liberdades democráticas! Pelo Poder Popular e pelo Socialismo!

Partido Comunista Brasileiro Goiás

Corrente Sindical Unidade Classista

União da Juventude Comunista

Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s