Voltam as aulas presenciais, mas estudantes e servidores continuam nas ruas! Todas e todos no dia 9J em defesa da educação!

O povo goiano, em especial a comunidade acadêmica, se surpreendeu com o contingenciamento de 14,5% sobre os orçamentos das Universidades Federais, Institutos Federais e CEFETs. O que se coloca sobre as instituições federais de educação hoje são orçamentos 37% menores do que há uma década, o que tem impedido investimentos em instalações e equipamentos.

A parte discricionária do orçamento, por sua vez, limita a atuação de reitorias e conselhos das Instituições de Ensino Superior Federais (IES), pois impacta na disponibilidade, entre outros, de bolsas de permanência e na manutenção de restaurantes universitários e casas de estudantes.

Os cortes e contingenciamentos na educação ocorrem no justo momento em que as IES retomam as atividades presenciais depois de quase dois anos de trabalho remoto em decorrência do contexto pandêmico. O panorama que deveria ser o de maiores investimentos, com vistas a assegurar menores riscos nos ambientes de ensino, é o oposto disso, evidenciando o descaso do governo para com a pandemia e processos de prevenção.

Para além dos cortes na educação, o governo Bolsonaro e seus aliados no Congresso Nacional buscam aprovar uma emenda à Constituição. Trata-se da famigerada PEC-206/2019, que poderá levar à cobrança de mensalidades nas Universidades Federais, nos Institutos Federais e nos CEFETs. O projeto, que está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados, tem levado a intensas mobilizações estudantis, na perspectiva de que venha a ser arquivado, assegurando a continuidade da gratuidade nas IES.

Esse quadro se apresenta ainda mais dramático em face do aprofundamento do arrocho salarial dos servidores docentes e técnico-administrativos. Somente nos três primeiros anos do governo Bolsonaro, os servidores públicos federais perderam 19,99% do poder de compra dos seus salários.

É em meio a esse cenário alarmante que os movimentos estudantis e de servidores buscam mobilizar a comunidade das instituições públicas de educação nas lutas para recompor o orçamento, assegurar condições adequadas para o desenvolvimento da formação integral, com base na indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, bem como resistir à cobrança de mensalidades, ao arrocho salarial e à privatização das IES.

O Partido Comunista Brasileiro e seus coletivos conclamam a população goiana para participar dos atos organizados, no Estado de Goiás e em Goiânia, nesse 9 de junho de 2022, em repúdio aos novos cortes orçamentários da educação federal, contra a cobrança de mensalidades nas IES e em apoio à recomposição salarial emergencial dos servidores públicos federais.

Pela recomposição orçamentária das Instituições de Educação Federais!

Pelaextinção da PEC-206/2019 e em defesa da gratuidade do ensino público!

Pelo fim do arrojo salarial dos servidores públicos federais!

Pelo Poder Popular!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s